Caracol vira girafa, vira... bailarina!?

Estamos muito felizes em compartilhar, aqui no blog, o trabalho da Farid Rocha, que desenvolveu uma proposta bem criativa de utilização do nosso livro. A partir da sua experiência nos cursos de formação, Farid construiu pontes entre diferentes abordagens e trouxe lindas vivências para suas pequenas alunas.


Farid Rocha é professora da Dança Materna, professora de Ballet para crianças e instrutora de Yoga para crianças. Acredita no movimento como canal de autoconhecimento e transformação das pessoas. Ela mora em Macaé e as aulas de ballet e yoga acontecem no espaço Matrioska.

Vamos conhecer o trabalho da Farid?


"O meu primeiro contato com o método GDS foi na formação da Dança Materna, quando, encantada com o horizonte que se abriu diante de meu olhar, busquei me aprofundar. 


Conheci então Renata e, mais uma vez, amor ao primeiro “flash”, nossas crianças interiores se reconheceram desde o primeiro momento. 


Levar o olhar GDS ao ballet infantil foi transformador em minhas aulas, nas propostas de atividades e no olhar individualizado para cada criança, mesmo dentro de um coletivo. 


Embora toda criança já traga na sua “mochilinha” ontogenética as suas predisposições, tão lindamente representadas pelos três potes por Godelieve Denys Struyf (AM, PA e PM), nós educadores do movimento temos a possibilidade de propor atividades que contribuam para a manutenção da fluidez e do equilíbrio, minimizando a cristalização de padrões físicos e emocionais, infelizmente ainda tão comuns no próprio ballet, quando conduzido de forma a padronizar as crianças.


O livro Como ser uma onda, de Renata Ungier, foi fonte ativa de inspiração ao projeto “Viagem ao planeta luz,” conduzido com as crianças nas aulas de baby class (3 a 5 anos). Vivenciamos, em cada célula, a tríade AM-PA-PM, e o entendimento corporal de que, entre a terra e o céu, há infinitos sonhos e possibilidades. Nesse projeto utilizei, além da obra Como ser uma onda, os livros: ”Estelina” de Sara Lopez e “Nossa Terra Nosso Lar“ baseado nos ensinamentos da Cura Prânica do Mestre Choa Kok Sui.


Nas aulas de Yoga, com crianças entre 5 e 7 anos, explorei o livro de forma mais direta, fizemos a leitura aliada às ricas ilustrações e trabalhamos corporalmente os conceitos de recolhimento e expansão, de alternância dos estados físicos (e emocionais).





As aulas “Como ser uma onda” abriram o mês da primavera, como forma de integrar corporalmente o sentido da transformação da semente em flor, da lagarta em borboleta, das ondas de contração e expansão, de forma mais profunda, fugindo da literalidade.




Transformar cada página em sequências de asanas aliadas às propostas sensoriais e de movimento nos proporcionou realmente um mergulho na onda do crescimento. Em um segundo momento, aliamos o livro ao baralho do Yoga dos bichos. As crianças recontaram a história, referenciando as imagens do baralho, que traz inúmeros asanas ilustrados em animais da fauna brasileira, remontando a cada fase das ondas. 




“Fechamos” (ou abrimos) essa aventura construindo um tambor do oceano, em um momento claramente AM-AL, que as crianças levaram como lembrança viva dessa aventura, para sempre rememorarem que:


Nossas vidas não são estradas, mas sim um oceano de ondas, que recuam para avançar, que descem para subir, que mergulham para jorrar. (Godelieve Denys Struyf)


Agradeço a Renata Ungier pela concepção dessa obra de arte tão rica em ensinamentos e movimento palatáveis às crianças. Agradeço a Tatiana Tardioli por abrir mais esse horizonte em minha vida."

(Farid Rocha)


É maravilhoso colher frutos de um terreno semeado com carinho. Você também está desenvolvendo um trabalho bacana, a partir das ferramentas “Como ser uma onda”? Manda pra gente!


CRÉDITOS FOTOS: Fabiola Rocha Photography

173 visualizações

© Como ser uma onda // 2019 // Rio de Janeiro

  • Preto Ícone Spotify
  • Instagram ícone social
  • Black Facebook Icon